Gauge fecha 2023 com crescimento de 27%
Incremento de ofertas com IA e fusão com a Huia impulsionaram o resultado positivo da empresa, que comemora a chegada de novas contas

O incremento de projetos com Inteligência Artificial, expertise que o Grupo Stefanini domina há mais de 12 anos; o ganho de eficiência e agilidade dos clientes e a fusão com a Huia impulsionaram os resultados da Gauge, empresa que compõe a Haus, plataforma de marketing da multinacional brasileira. Focada em tecnologia e consultoria de performance digital, Growth, CX, Design(UX/UI), Digital Commerce, Martech, Analytics, Mensuração e Otimização de MROI (receita gerada pelos investimentos de marketing de uma empresa), a Gauge encerrou 2023 com um crescimento de 27% em seu faturamento em relação ao ano anterior.
Liderada pelo CEO Felipe Rodriguez, a Gauge conta com ampla experiência na realização de análises de mercado e pesquisas de tendências para identificar oportunidades; geração de insights para tomada de decisões de negócio; planos de ação realistas que tragam resultados no curto, médio e longo prazos; aceleração e desenvolvimento de produtos digitais, integrando design, dados e tecnologia com foco no resultado de negócio. “Unimos nossa experiência em marketing com a fortaleza do Grupo Stefanini em tecnologia para auxiliar nossos clientes em suas estratégias, inclusive de “go to market”, ou seja, lançamento e posicionamento de produtos e serviços”, destaca.
Felipe Rodriguez, CEO da Gauge.

 

Para este ano, uma das grandes apostas da empresa é o Marketing Mix Modeling (MMM), uma abordagem analítica avançada que utiliza modelos estatísticos sofisticados para orientar o investimento de marketing das empresas e identificar quais iniciativas estão gerando os melhores resultados e quais áreas podem ser aperfeiçoadas com base no resultado de negócio. O MMM considera a avaliação da eficácia de diferentes canais de mídia, a influência de campanhas promocionais específicas e o impacto de variáveis externas, como situação econômica e tendências de consumo. “Não só fazemos melhor uso do investimento marketing, como ajudamos o cliente a ter mais clareza do resultado que o investimento irá gerar”, enfatiza o CEO da Gauge.

Segundo Felipe, outra solução que deve conquistar ainda mais o mercado este ano é o Media Maker, um produto que utiliza a Inteligência Artificial para criar peças com agilidade e baixo custo, possibilitando o cliente testar e ganhar desempenho em suas campanhas sem se preocupar com a produção e garantindo a qualidade e uso do guia visual da marca.
A personalização da experiência é outra grande tendência em 2024. “Para atingir o máximo de pessoas, é preciso que a mensagem certa chegue no momento correto para a pessoa certa. A combinação de uma experiência de alta qualidade e um profundo conhecimento do consumidor tem o potencial de converter cliques em lealdade e superar expectativas. Por isso, monitorar a jornada do cliente, conhecer melhor seu perfil e inovar na interação serão cada vez mais importantes para determinar a preferência pelas marcas. Conectando o uso inteligente da tecnologia associada à visão criativa de uma equipe especializada, entregamos soluções com foco em resultados de negócios, desde o planejamento ao acompanhamento e entrega dos resultados”, afirma Guilherme Stefanini, CEO da Haus.
Internacionalização
O projeto de internacionalização da Gauge, iniciado em 2023, deve ganhar mais força este ano em países da América Latina. Um grande banco chileno, por exemplo, escolheu a empresa da plataforma de marketing do Grupo Stefanini para ajudar a instituição em mercados onde desejar atuar e crescer na região. Já um cliente brasileiro também buscou na Gauge uma parceria estratégica para iniciar seu projeto de internacionalização e se posicionar em alguns países da América Latina.
“Temos dois movimentos interessantes: um banco de fora que selecionou uma martech brasileira para fazer sua expansão regional, bem como uma empresa brasileira que nos elegeu para contribuir no “go to market” em Latam. Em ambos, realizamos análises de mercado e levantamentos para identificar oportunidades, concorrentes e lacunas de mercado, além de gerar insights que se converteram em planejamento e ações efetivas. Todas essas iniciativas reforçam nosso posicionamento como parceiro de negócios para a evolução digital dos nossos clientes”, complementa o CEO da Gauge.

Monitor do PIB-FGV aponta crescimento de 3,0% da atividade econômica em 2023
Na análise das séries livres de efeitos sazonais, a economia cresceu 0,1% no quarto trimestre em comparação ao terceiro, e 0,6% em dezembro frente a novembro

“A agropecuária foi fundamental para o desempenho do PIB de 2023. Aproximadamente 30% do crescimento de 3,0% da economia deveu-se diretamente a esta atividade, em particular ao desempenho da soja na região Centro-Sul do país. Esse contexto mostra forte concentração setorial e regional e evidencia que o crescimento econômico não foi sentido de modo uniforme no país. Devido ao agronegócio, o efeito do excelente desempenho agropecuário no ano se estendeu para outras atividades econômicas, o que potencializou sua influência na economia. No entanto, cabe também destaque para o desempenho positivo da indústria e do setor de serviços em 2023. Nos serviços, o crescimento foi generalizado, padrão diferente do observado na indústria. Atividades industriais relevantes para impulsionar a economia, como a transformação e a construção retraíram em 2023. Pela ótica da demanda, o consumo e as exportações cresceram a taxas acima do PIB (3,2% e 9,5%, respectivamente), porém a formação bruta de capital fixo apresentou queda, o que contribuiu para a redução da taxa de investimentos do país. Em termos marginais, a economia cresceu apenas 0,1% no quarto trimestre, em comparação ao terceiro. Embora com clara tendência de desaceleração nessa comparação, o resultado mostra resiliência da economia apesar das fragilidades de um crescimento anual concentrado e bastante influenciado por commodities”, segundo Juliana Trece, coordenadora da pesquisa.

Na análise trimestral, o PIB apresentou, na série com ajuste sazonal, crescimento de 0,1% no quarto trimestre, em comparação ao terceiro. Na análise interanual, o crescimento do PIB foi de 2,3% no quarto trimestre de 2023. Na análise mensal, o PIB apresentou crescimento de 0,6% em dezembro, na comparação com novembro. Na comparação interanual o resultado do PIB de dezembro foi de crescimento de 2,1%.

Consumo das famílias

O consumo das famílias cresceu 3,2% em 2023, sendo o consumo de serviços foi o principal responsável por esse crescimento, apesar de ter apresentado perda de força ao longo do ano. O consumo de produtos não duráveis também teve uma contribuição expressiva para esse resultado positivo, com crescimento de 3,6%, mantendo-se estável ao longo do ano. Por fim, o consumo de bens duráveis cresceu desde meados do ano, fechando 2023 com 3,8%.

Formação bruta de capital fixo (FBCF)

A FBCF caiu 3,4% em 2023. O desempenho de máquinas e equipamentos preocupa, pois vem acumulando quedas ao longo do ano e fechou com retração de 8,5% no ano. A construção também contribuiu negativamente para esse resultado, com queda de 0,5%. O único componente a apresentar taxa positiva (3,7%) foi o de outros da FBCF.

Exportação

A exportação de bens e serviços cresceu 9,5% em 2023. Quase todos os segmentos contribuíram positivamente para este desempenho, à exceção dos bens intermediários. Cabe destacar a exportação dos produtos agropecuários, que cresceu 25,3% no ano. Somado a isso, os produtos da extrativa mineral também tiveram desempenho expressivo no ano, tendo crescido 16,7%, contribuindo para elevada taxa de crescimento das exportações.

Importação

A importação de bens e serviços caiu 1,1% em 2023, sendo resultado principalmente da queda na importação de bens intermediários e de produtos da extrativa mineral, que apresentaram quedas de 3,9% e 11,1% no ano, respectivamente. Por outro lado, a importação de bens de consumo e de serviços contribuíram positivamente para esse componente, evitando maiores quedas.

Vendas de artigos para o agronegócio registram crescimento acima de 50% em dois estados, segundo OLX

As comercializações de itens para produção rural, como sementes, mudas, cereais, grãos e balanças para pesagem, cresceram 57% em Goiás no ano passado, no comparativo com 2022. É o que aponta levantamento da OLX, uma das maiores plataformas de compra e venda online de itens usados e seminovos no país. O estado é o que teve a maior variação positiva nessa subcategoria da plataforma. A Bahia, com aumento de cerca de 33%, ocupa a segunda posição.

O estudo também registrou crescimento nas vendas de produtos que se enquadram na subcategoria “peças para tratores e máquinas”, como motores e implementos, que na Bahia cresceram 54% em comparação a 2022 – a maior variação deste segmento dentre os estados. No Pará, as comercializações desse tipo de item aumentaram quase 10%, enquanto no Ceará, subiram 8%.

Os desafios de preparar os herdeiros do agronegócio
*Por Valéria Pimenta

Valéria Pimenta é especialista em análise comportamental e desenvolvimento de liderança. Diretora de negócios da Thomas Intl. Brasil, Valéria também é fundadora da consultoria que leva seu nome, mentora comportamental e coach de executivos.

Responsável por cerca de 25% do Produto Interno Bruto (PIB), o agronegócio possui muitas nuances e desafios particulares. Isso porque parte considerável das companhias do segmento são familiares e, segundo o estudo ‘Perfil e Hábitos dos Produtores Rurais em Mato Grosso’, realizado pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA) sobre os produtores rurais do estado, 79% dos agricultores e 76% dos pecuaristas entrevistados estão preocupados com um único ponto: a sucessão familiar.

Dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) corroboram essa constatação realizada no estado que lidera o ranking do agronegócio no Brasil. Até 2030, segundo a entidade, cerca de 40% dos produtores rurais não estarão mais na atividade. Essa dor, porém, não é exclusiva desse segmento.

A pesquisa da Talenses Executive, consultoria especializada em cargos de liderança e conselhos, revela que apenas um terço das empresas no Brasil possuem um programa formal de preparação de sucessores. Ao entrevistar 120 empresas – sendo 72% de capital fechado e 28% de administração familiar – o estudo também mostrou que 40% das companhias – que possuem programas do tipo – estão preparando um candidato há três anos.

Permanência no campo: oportunidade de ser protagonista em diferentes aspectos

­Preparar e capacitar os herdeiros dessas empresas é um grande desafio. Muitos jovens, que anos atrás ‘abandonavam’ esse tipo de negócio e tentavam ‘oportunidades’ mais promissoras nas grandes cidades, visualizaram que permanecer no campo pode ser muito mais vantajoso profissionalmente. Não apenas por administrar empresas familiares, mas por ter a oportunidade de, com o avanço tecnológico, fazer o negócio ganhar ainda mais tração e mercado.

Ao utilizar cursos, apoio e orientação de especialistas e, por vezes, trocas construtivas entre empresas e famílias que enfrentam os mesmos desafios, os herdeiros do agronegócio potencializam as chances de sucesso profissional.

Ter inteligência emocional para separar sentimentos é o primeiro passo

Há uma questão muito sensível quando o assunto é sucessão familiar. Os sentimentos envolvidos nessa questão podem dificultar os planos de algumas empresas. Embora não existam regras que possam definir o momento mais assertivo para uma transição e, por vezes, o apego e admiração do próprio fundador possam extrapolam qualquer entendimento racional, é vital que os herdeiros sejam preparados com cautela para esse novo desafio.

Amparado em ciência, diagnósticos podem ajudar a identificar os talentos familiares

Em empresas com diferentes gerações da família empregadas, escolher a linha sucessória também é um desafio. Eventualmente, há famílias empresárias com diferentes filhos à frente dos negócios. E saber utilizar diagnósticos, que são amparados em ciência, pode aumentar as chances de a sucessão ocorrer futuramente para outras gerações também.

É importante que, embora óbvio, seja colocado de lado todos os tipos de sentimentos e questões pessoais. Para evitar desgastes e conflitos desnecessários, muitos líderes de empresas do tipo procuram suporte profissional, como consultores especializados, para auxiliar no entendimento de questões exclusivamente profissionais. Por meio desses diagnósticos, aplicados por profissionais capacitados, é possível endossar ou questionar percepções, amparar tomadas decisões importantes ou, por vezes, até postergar definições.