Congresso Internacional Oncologia D’Or começou hoje no Rio de Janeiro
Evento contou com mais de oito mil inscrições e vai debater os avanços em diagnóstico e tratamento de câncer

Da Redação

Rodrigo Gavina, CEO dos Hospitais da Rede D’Or, durante abertura do IX Congresso Internacional Oncologia D’Or.

Começou nesta sexta-feira (12) a nona edição do Congresso Internacional Oncologia D’Or, evento que vai debater as últimas novidades e os temas mais atuais na oncologia e que contará com a participação de mais de 250 palestrantes, nacionais e internacionais. A edição alcançou a marca de oito mil inscritos entre médicos, acadêmicos e profissionais da área oncológica. Durante a cerimônia de abertura do congresso, Paulo Hoff, presidente da Oncologia D’Or, destacou o sucesso das inscrições. “Este número mostra a pujança da Rede D’Or ao atrair mais de oito mil participantes para um congresso de oncologia, algo que não costuma ser visto em eventos semelhantes”, afirma o médico.

Paulo M. Hoff , presidente da Oncologia D’Or e do congresso.

Paulo Hoff também aproveitou a abertura para divulgar o novo projeto da Oncologia D’Or com o IDOR (Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino); se trata de uma plataforma de assistência integrada que pretende ser um novo paradigma para pesquisas clínicas. Presidente do IDOR, Fernanda Tovar-Moll ressaltou a importância das parcerias do instituto com a Oncologia D’Or e a Cardiologia D’Or no desenvolvimento de pesquisas novos projetos.

As contribuições da tecnologia e inovação para diagnósticos mais precisos e tratamentos mais eficazes estão entre os principais destaques do Congresso, que vai contar com mais de 50h de programação em quase 40 mesas ou módulos temáticos. Serão tratadas questões de tecnologias recentes, como o uso de testes biomoleculares e aplicação da biópsia líquida, que permitem identificar melhor o tumor e proporcionam uma terapia mais adequada. Também haverá espaço para falar sobre o uso de intervenções cirúrgicas, como a cirurgia bariátrica, que é uma alternativa na prevenção de cânceres de pâncreas, estômago, esôfago e colonrretal, e do uso da cannabis medicinal para tratamento da dor. Profissionais como George Netto, professor de Patologia e Medicina Laboratorial na Escola de Medicina de Perelman, na Pensilvânia, e Kevin Kalinsky, diretor do departamento de Hematologia e Oncologia da Escola de Medicina da Universidade de Emory, em Atlanta, são destaques internacionais da atual edição.

Ainda durante a cerimônia de abertura do evento, que ocorre no Centro de Convenções do Windsor Oceânico, na Barra da Tijuca, o CEO dos Hospitais da Rede D’Or, Rodrigo Gavina, salientou a relação do congresso com os valores do grupo hospitalar. “O Congresso Internacional Oncologia D’Or vai ao encontro dos valores da Rede D’Or, de gerar medicina de alto desempenho em ambiente adequado aos profissionais de saúde, pois permite aprender cada vez mais e compartilhar conhecimento em prol da sociedade”, finalizou.

Daniel Herchenhorn, oncologista clínico da Oncologia D’Or; Vinicius Rocha, CEO da Oncologia D’Or; Leandro Tavares, vice-presidente da Rede D’Or; Fernanda Tovar-Moll, presidente do IDOR; Paulo Hoff, presidente da Oncologia D’Or; e Rodrigo Gavina, CEO dos Hospitais da Rede D’Or.

Cirurgia pioneira na troca de válvula do coração é destaque de seminário que começou hoje no Rio de Janeiro
Realizado no Hospital São Luiz Itaim, em São Paulo, procedimento foi o primeiro a ser realizado na América Latina. Valve in Rio chega a sua 4ª edição

Vinícius Esteves, Cleverson Zukowski e Olga Souza, coordenadores da 4ª edição do VALVE IN RIO (Foto: EuroCom)

Da Redação

Acontece entre hoje e amanhã (sexta-feira), no Hotel Fairmont, em Copacabana, a 4ª edição do VALVE IN RIO. Promovido pela Cardiologia D’Or, o evento reúne renomados cardiologistas nacionais e estrangeiros para debater os principais avanços nos tratamentos intervencionistas minimamente invasivos das doenças valvares do coração. São mais de 100 palestrantes, incluindo 22 médicos da Europa e das Américas do Norte e do Sul. Presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro, Marcelo Heitor Vieira Assad esteve presente na abertura e destacou a importância desse evento para a medicina do estado. “O evento é de extrema relevância, pois reúne profissionais de reconhecida robustez de conhecimento. Isso mostra a pujança da Rede D’Or e a importância do Rio de Janeiro”, afirma o médico.

O envelhecimento da população vem exigindo uma atenção cada vez maior com a saúde do coração. Conforme o avançar da idade, é esperada uma degeneração das quatro válvulas, que garantem a circulação correta do sangue. Um mau funcionamento pode exigir que o coração faça um esforço maior para bombear o sangue. Estudos apontam, por exemplo, que de 3% a 5% da população pode apresentar algum grau de acometimento da válvula aórtica, a partir dos 65 anos.

Segundo Vinicius Esteves, um dos coordenadores do Simpósio, entre os destaques da programação estão os avanços de técnicas na intervenção da válvula tricúspide. Considerada por anos como a “válvula esquecida”, por não ter tido tanta atenção em estudos e pesquisas como a mitral e a aórtica, a tricúspide tem sido abordada em novos procedimentos cirúrgicos. Um dos destaques da programação será justamente a apresentação de uma cirurgia pioneira de troca de válvula tricúspide por cateter. O procedimento, realizado em fevereiro deste ano no Hospital São Luiz Itaim, em São Paulo, abre novos horizontes para pacientes idosos que desenvolvem insuficiência tricúspide. É o caso de uma paciente de 79 anos, a primeira a passar pela cirurgia. Responsável pelo procedimento, Esteves explica que, sem a intervenção, as perspectivas da paciente eram bem reduzidas. “Chegaria um momento em que os medicamentos não teriam mais efeito e, muito provavelmente, sofreria um quadro de insuficiência cardíaca irreversível”, relata. A expectativa é que retome rotinas que antes eram impeditivas, como sair para andar.

Evento receberá 22 palestrantes estrangeiros (Foto: EuroCom)

A cirurgia também é um exemplo dos avanços em procedimentos minimamente invasivos. O cateter é introduzido através de um pequeno furo preferencialmente na veia jugular direita, localizada na região do pescoço, e serve de veículo para transportar até o coração o dispositivo que será implantado no coração. “É uma técnica tão eficaz e segura quanto a cirurgia convencional, mas bem menos agressiva”, diz o coordenador do evento.

Presidente da Cardiologia D’Or, Olga Souza ressalta que, em paralelo às mesas, também haverá workshops para capacitar os profissionais que realizam a ecocardiografia, exame fundamental para o sucesso de uma cirurgia cardíaca, bem como de enfermagem em intervenção estrutural. “Teremos espaço para que os participantes dos seminários e workshops possam se atualizar discutindo casos concretos com alguns dos melhores profissionais do mundo”, celebra.

VALVE IN RIO

Dias: 14 e 15 de março
Local: Hotel Fairmont – Av. Atlântica, 4240 – Copacabana – Rio de Janeiro
Inscrições: https://www.valveinrio.com/

Dose dupla

Da Redação

Hospital Santa Helena, em Brasília, foi certificado na metodologia ACSA com nível Ótimo.

Em Brasília, os hospitais Santa Helena e Santa Luzia, da Rede D’Or, foram certificados na metodologia ACSA – Agência de Calidad Sanitaria de Andalucia, pelo Instituto Brasileiro de Excelência em Saúde – IBES. Ambas as unidades foram classificadas com nível Ótimo. Para conseguir este feito, a instituição precisa alcançar 100% dos padrões do Grupo I, que contemplam, entre outros aspectos, os direitos consolidados das pessoas, a qualidade de vida, os princípios éticos e a segurança dos usuários e dos trabalhadores, e mais de 40% dos padrões do Grupo II (inclui os elementos associados a um maior desenvolvimento da organização – sistemas de informação, novas tecnologias e redesenho de espaços organizacionais). Excelente conquista.

 

Diretora de Cardiologia da Rede D’Or alerta que ansiedade é fator de risco para hipertensão
Em seminário promovido pelo jornal O Globo, Olga Ferreira de Souza ressaltou que uso incessante de celular tem deixado as pessoas ansiosas

 

Olga Ferreira de Souza, diretora de cardiologia da Rede D’Or: “É hábito olhar o celular a toda hora”

 

Da Redação

Controlar o estresse e a ansiedade é primordial para reduzir os riscos de desenvolver hipertensão. Esse foi um dos alertas da diretora de cardiologia da Rede D’Or, Olga Ferreira de Souza em encontro sobre hipertensão arterial promovido pelo jornal O Globo na terça-feira. Mediada pela jornalista Adriana Dias Lopes, a mesa também reuniu o cardiologista Cláudio Domênico a presidente do Instituto Lado a Lado pela Vida, Marlene Oliveira e o subsecretário de Atenção Primária, Promoção e Vigilância em Saúde do Rio de Janeiro, Renato Cony.

O evento colocou em debate os fatores de risco e as formas de prevenir uma doença que responde por 40% das mortes cardiovasculares no Brasil. Olga ponderou que é importante promover campanhas e levar informação a população, pois metade dos pacientes não desenvolve sintomas. “Relatório da Organização Mundial de Saúde aponta que 45% da população brasileira desconhece que tem hipertensão”, contou a diretora da Rede D’Or.

Olga explicou que, na maioria dos casos, a adoção de hábitos saudáveis é a principal forma de prevenir ou controlar a doença. É assim que é possível aprender a evitar o estresse recorrente em situações do dia a dia que as pessoas não têm como controlar. “Quando ficamos estressados, aumenta a produção de cortisol a adrenalina e a pressão sobe”, explicou a diretora da Rede D’Or, que ressaltou que é preciso buscar atividades que ajudem a relaxar, como ouvir música.

No entanto, para ela, a ansiedade que as pessoas têm apresentado é um estado emocional ainda mais preocupante. E Olga é direta em apresentar o uso incessante do celular como uma das causas, por fazer as pessoas estarem conectadas o tempo inteiro. “Ninguém tem paciência de esperar uma resposta, por exemplo. É hábito olhar o celular a toda hora”, observou.

Para a diretora da Rede D’Or, é preciso que as pessoas mudem seus hábitos e passem a valorizar a atividade que estão fazendo. Se vai ao cinema, ao bar com amigos ou na refeição em família, o ideal, defende ela, é guardar o celular para aproveitar aquele momento. “Como vamos lidar com isso para não nos tornarmos pessoas ansiosas, é um desafio”, relata.