Profissionais do SUS terão acesso a prontuário unificado de pacientes
Dados poderão ser consultados em postos de todo o país

Da Agência Brasil

O aplicativo Meu SUS Digital, do Ministério da Saúde, vai permitir que profissionais da saúde possam ter acesso ao prontuário eletrônico unificado, com o histórico de saúde dos pacientes. Os dados poderão ser acessados durante a consulta, em qualquer ponto da rede de serviços em todo o país.

“Até então, o prontuário estava na unidade em que o usuário fazia o seu atendimento. Agora, esse prontuário passa a estar disponível em qualquer ponto da rede em todo o Brasil no contexto de atendimento. Então, no momento em que esse paciente vai ser atendido, o profissional vai conseguir abrir o prontuário dele e ter as informações. Isso garante qualidade e continuidade do cuidado”, explicou a secretária de Informação e Saúde Digital, Ana Estela Haddad, nesta terça-feira (16).

Também foi anunciado hoje o Sumário Internacional do Paciente, que vai possibilitar que,  em viagens internacionais, se a pessoa precisar de um atendimento de saúde, ela terá disponível no Meu SUS Digital dados básicos como medicamentos dos quais faz uso, alergias, entre outros, para consulta durante o atendimento.

O compartilhamento de dados é possível por meio da Rede Nacional de Dados em Saúde, que já conta com mais de 1,8 bilhão de registros disponíveis. O aplicativo Meu SUS Digital é o mais baixado na categoria saúde entre aplicativos gratuitos, com mais de 50 milhões de download e 4,5 milhões de usuários ativos.

Telessaúde

O Ministério da Saúde ainda anunciou hoje a implantação do primeiro ponto de telessaúde em um território quilombola, no Pará, que vai beneficiar a comunidade do Quilombo Boa Vista.

Um ponto de telessaúde também foi instalado no Complexo da Maré, no Rio de Janeiro, com qualificação de equipes e envio de equipamentos. A ideia é que essa seja uma base para expandir a iniciativa em periferias urbanas e rurais de outras regiões do país.

A telessaúde é uma das ações estruturantes do SUS Digital que permite ampliar o acesso à diagnósticos e consultas especializadas. Nos últimos dois anos, foram realizadas 4,6 milhões ações de telessaúde (teleatendimento e telediagnóstico).

Segundo o Ministério da Saúde, o governo federal vai oferecer incentivo de R$ 464 milhões para realizar ações de transformação digital em todas as regiões do Brasil.

Workshop do IPS Consumo que abordará temas atuais na Defesa do Consumidor começa nesta quarta-feira (10)
Evento reúne os principais profissionais do setor de Consumo e acontece em Salvador, na Bahia, mas com transmissão online gratuita

Workshop inicia nesta quarta-feira e continua na manhã seguinte (Imagem: Divulgação/IPS Consumo)

Da Redação

O IPS Consumo (Instituto de Pesquisas e Estudos da Sociedade e Consumo), em parceria com o Procon Bahia, inicia nesta quarta-feira (10) um evento presencial para discutir novos desafios e oportunidades para proteção do consumidor brasileiro. O workshop Atualidades em Defesa do Consumidor acontece no Fiesta Convention Center, em Salvador, Bahia, e vai reunir autoridades, professores e especialistas para debater temas estratégicos, políticas públicas e melhores práticas para o desenvolvimento da sociedade de consumo.

O evento contará com uma palestra de abertura e quatro painéis que abordarão assuntos relevantes no cenário atual da Defesa do Consumidor, como Proteção ao Consumidor e Inteligência Artificial, Apostas Online e a Prevenção e Solução de Conflitos. Para os que desejarem assistir às apresentações, o IPS Consumo transmitirá toda a programação do evento de forma online através de seu canal no Youtube. Confira a seguir os horários:

PROGRAMAÇÃO DIA 10 – QUARTA-FEIRA

18h – Solenidade de Abertura

19h30 – Palestra: Novos Desafios para Proteção do Consumidor no Brasil
Palestrantes: Marcelo Gomes Sodré, professor livre docente da PUC-SP; Felipe da Silva Freitas, doutor e mestre em Direito pela Universidade de Brasília (UNB) e secretário de justiça e direitos humanos da Bahia
Moderadora: Juliana Pereira, advogada especialista em Direito do Consumidor, presidente do IPS Consumo e ex-secretária nacional do consumidor

PROGRAMAÇÃO DIA 11 – QUINTA-FEIRA

9h – Painel: Apostas Online: Impacto para os consumidores, desafios para implementação da Lei 14.790 de 29 de dezembro de 2023
Palestrante: Ricardo Morishita Wada, professor de direito do consumidor no Instituto Brasiliense de Direito Público
Debatedor: Diogo Gabriel Fernandes, advogado especialista em Direito Digital, Comércio Eletrônico e Cibercrimes com enfoque em Fraudes Bancárias, e presidente da Comissão de Direito Digital da OAB/BA

11h – Painel: A Proteção do Consumidor no âmbito da Inteligência Artificial: Diretrizes sobre a transparência e ética no uso dos dados
Painelistas: Cristina Teixeira Silva de Olinda Cardoso, encarregada de proteção de dados da LGPD da Secretaria da Fazenda da Bahia e membro permanente da Câmara Técnica LGPD do Conselho Nacional de Controle Interno; Gisele Kunz, advogada especialista em Direito Digital, membro da Comissão de Direito Digital da OAB/BA e da Associação dos Profissionais em Proteção de Dados.

14h – Painel: Novos Desafios para Prevenção e Solução de Conflitos de Consumo: Que causas explicam os altos volumes de reclamações de consumidores junto aos órgãos de defesa do consumidor? Quais seriam as melhores práticas para prevenção de conflitos no contexto do desenvolvimento tecnológico e da Inteligência Artificial?
Painelistas: Lorena Tamanini R. Tavares, estrategista de Cliente e Inovação, sócia proprietária da Bottom-Up Consultoria Claudia Silvano, advogada, professora de Direito do Consumidor e Diretora do Procon Estadual do Paraná; Vitor Morais de Andrade, advogado especialista em Direito do Consumidor e professor na PUC-SP

16h – Painel: Atuais desafios para proteção do consumidor de Planos de Saúde
Painelistas: Gustavo Ribeiro, presidente Associação Brasileira de Planos de Saúde; Maria Stella Gregori, advogada e professora da PUC-SP; Marcos Pagan, juiz de direito da Turma Recursal Cível do TJSP; Fabrícia Vasconcellos, gerente geral de regulação dos produtos da ANS
Moderadora: Juliana Pereira, advogada especialista em Direito do Consumidor, presidente do IPS Consumo e ex-secretária Nacional do Consumidor

18h – Encerramento

SERVIÇO

Workshop: Atualidades em Defesa do Consumidor
Datas: 10 e 11/07
Horário de início: Quarta-feira, dia 10, às 18h; quinta-feira, dia 11, às 9h
Local: Fiesta Convention Center – Av. Antônio Carlos Magalhães, 741, Itaigara, Salvador, BA
Links para assistir gratuitamente: https://www.youtube.com/live/lXpliz9PAnY (10/07) e https://www.youtube.com/watch?v=K802xqMnKL0 (11/07)

Ingestão de pilhas ou baterias por acidente pode trazer risco à saúde da criança

Da Redação

As pilhas e baterias estão presentes na maioria dos eletrônicos utilizados no dia a dia, até mesmo de brinquedos, ambos ao alcance de crianças. Por este motivo, é necessário cuidado e atenção à possibilidade da ingestão acidental. De acordo com o pediatra e coordenador de pediatria do Hospital Santa Helena, da Rede D’Or, Thallys Ramalho, em contato com a saliva, a pilha promove a formação de uma solução alcalina, que provoca lesões graves no trato gastrointestinal ou nas vias aéreas. “A ingestão deste tipo de material pode trazer consequências por toda vida. Inicialmente, os sintomas são inespecíficos, como dor torácica ou abdominal, aumento da quantidade de saliva, vômitos, náuseas e até mesmo dificuldade para respirar. Com a permanência do corpo estranho, ele pode fazer uma lesão química, que pode ocasionar rompimento dos órgãos e hemorragias. Essas lesões podem deixar sequelas permanentes, com necessidade de várias abordagens cirúrgicas ao longo da vida”, alerta o médico.

Ao perceber que a criança ingeriu por acidente uma pilha ou bateria, a primeira atitude a ser tomada é procurar um serviço de emergência. “Após 15 minutos de ingestão, iniciam-se as lesões internas. Com duas horas, aproximadamente, a lesão está instalada”, explica o pediatra. A retirada da pilha pode ser realizada por endoscopia, quando ainda no esôfago ou estômago. Porém, caso o objeto já tenha atravessado do estômago para o intestino, a conduta é observação no hospital até o corpo estranho se expelido com as fezes. Em casos mais graves, pode ocorrer perfuração de algum órgão e ser necessário uma cirurgia de emergência.

Para evitar que este tipo de situação aconteça, o pediatra Thallys Ramalho aconselha os pais a guardarem as baterias em locais seguros, evitar trocar a carga na frente das crianças e priorizar brinquedos que possuam travas para as pilhas com parafusos, além de ter muito cuidado com o controle remoto ao alcance das crianças.

Julho Amarelo: Hepatites Virais
Coluna assinada por Yuri Boteon, médico especialista em cirurgia geral e cirurgia do aparelho digestivo do Hospital e Maternidade Brasil - Rede D'Or

(Foto: Reprodução/MedClub)

Publicado no jornal Diário do Grande ABC.

O que são hepatites virais?

As hepatites virais são infecções que afetam o fígado, podendo causar desde alterações leves até doenças graves. Muitas vezes, são assintomáticas, mas podem apresentar sinais como cansaço, febre, mal-estar, enjoo, vômitos, dor abdominal, icterícia (pele e olhos amarelados), urina escura e fezes claras.

Quais são os tipos de hepatites virais?

Existem cinco tipos principais de hepatites virais: A, B, C, D e E. No Brasil, os tipos mais comuns são A, В е С.

Julho Amarelo é o mês de luta contra as hepatites virais. Qual a importância da conscientização?

A conscientização sobre as hepatites virais é essencial para a prevenção e controle dessas doenças.

Campanhas como o Julho Amarelo informam a população sobre as formas de contágio, a importância da vacinação e a necessidade de diagnóstico precoce. Essa disseminação de conhecimento reduz o estigma, incentiva comportamentos preventivos e promove a testagem regular.

Quais são as principais formas de contágio?

Existem diferentes formas de contágio, dependendo do tipo do vírus. A hepatite A é transmitida principalmente pela via fecal-oral, geralmente por meio da ingestão de alimentos ou água contaminados. Situações de baixo saneamento básico e higiene pessoal inadequada são grandes facilitadores dessa transmissão, entre outros fatores.

A hepatite B tem várias formas de transmissão, como relações sexuais sem preservativo com uma pessoa infectada, de mãe para filho durante a gestação e o parto, e pelo compartilhamento de materiais para uso de drogas, como seringas e agulhas. Compartilhar itens de higiene pessoal, como lâminas de barbear, escovas de dente e alicates de unha, também pode ser uma via de transmissão.

A hepatite C é predominantemente transmitida pelo contato com sangue contaminado. Isso pode ocorrer mediante reutilização ou falha na esterilização de equipamentos médicos ou odontológicos, e durante procedimentos invasivos como hemodiálise e cirurgias.

A hepatite D só ocorre em pessoas já infectadas pelo vírus da hepatite B e compartilha modos de transmissão semelhantes. Já a hepatite E é transmitida pela via fecal-oral, principalmente através do consumo de água contaminada.

Quais são as principais medidas utilizadas como prevenção?

A prevenção das hepatites virais envolve uma série de medidas específicas para cada tipo. Para a hepatite A, é essencial melhorar as condições de higiene e saneamento básico. Lavar as mãos regularmente, especialmente após o uso do sanitário e antes de preparar alimentos, é fundamental, entre outras precauções.

Para a hepatite B, a vacinação é a principal medida preventiva, sendo extremamente eficaz e segura. Outros cuidados incluem o uso de preservativos em todas as relações sexuais e evitar o compartilhamento de objetos pessoais, como lâminas de barbear, escovas de dente, materiais de manicure e pedicure, e equipamentos para uso de drogas.

Não existe vacina para a hepatite C, por isso a prevenção se baseia em evitar o compartilhamento de objetos que possam ter contato com sangue, como seringas, agulhas e alicates. O uso de preservativos nas relações sexuais e a realização de exames pré-natais para detectar hepatites B e C, HIV e sífilis em mulheres grávidas são medidas essenciais.

As formas de transmissão da hepatite D são idênticas às da hepatite B, portanto, a imunização contra a hepatite B também previne a hepatite D. Além disso, é importante usar preservativos em todas as relações sexuais e não compartilhar objetos pessoais.

Qual o diferencial do Hospital Brasil no tratamento das hepatites virais?

O Hospital e Maternidade Brasil oferece atendimento médico de alta qualidade atuando desde a prevenção da doença até a realização das terapêuticas mais avançadas para o tratamento das complicações graves, como a cirrose hepática e o carcinoma hepatocelular. Com uma estrutura moderna, o hospital dispõe de uma equipe especializada em doenças hepáticas e acesso a terapias complexas como cirurgias hepáticas e o transplante de fígado. A abordagem integrada e o compromisso com a qualidade do atendimento fazem do Hospital Brasil uma referência no cuidado de pacientes com hepatites virais.