Estruturar sistema de atenção básica é desafio para a saúde suplementar

Por Tonico Galvão

Atenção Primária à Saúde foca o cuidado centrado nas pessoas.

O sistema de Atenção Primária à Saúde (APS) ainda não deslanchou plenamente entre as operadoras de planos de saúde. Embora seja reconhecido como um modelo de assistência de enorme efetividade na prevenção de doenças, na integração do atendimento, na melhoria do cuidado, na redução de internações e inclusive na redução de custos assistenciais, ainda são limitadas as iniciativas para implantá-lo. Para conversar sobre esse assunto, o Núcleo de Saúde da SP4 Comunicação convidou o médico Celso Evangelista, especialista em medicina geral e comunitária, que já atuou na implantação de programas de atenção básica no setor público e que foi responsável pela criação do programa QualiViva, para a Qualicorp, na saúde suplementar. Na entrevista, que pode ser acessada no link abaixo, Evangelista fala sobre o modo de operação da APS, os requisitos para a sua implantação, os ajustes na estruturação do atendimento, a importância de uma equipe multidisciplinar atuando em conjunto com o médico de família e sobre os benefícios que o sistema traz para os pacientes. Segundo ele, cerca de 80% das demandas cotidianas de saúde podem ser resolvidas nesse nível da rede de atendimento com ganhos de qualidade para a saúde dos pacientes em relação ao modelo atual.

No final de 2023, a questão da Atenção Primária à Saúde (APS) no setor privado já foi tema de levantamento feito pelo Núcleo de Saúde da SP4 Comunicação, com base em dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). O Núcleo de Saúde da SP4 Comunicação publica regularmente estudos, realizados de maneira colaborativa, sobre temas que possam contribuir para o desenvolvimento e a sustentabilidade da saúde suplementar. Tenha uma boa leitura.

Link para a entrevista: https://lnkd.in/dzGiQwgT

Dose dupla

Da Redação

Hospital Santa Helena, em Brasília, foi certificado na metodologia ACSA com nível Ótimo.

Em Brasília, os hospitais Santa Helena e Santa Luzia, da Rede D’Or, foram certificados na metodologia ACSA – Agência de Calidad Sanitaria de Andalucia, pelo Instituto Brasileiro de Excelência em Saúde – IBES. Ambas as unidades foram classificadas com nível Ótimo. Para conseguir este feito, a instituição precisa alcançar 100% dos padrões do Grupo I, que contemplam, entre outros aspectos, os direitos consolidados das pessoas, a qualidade de vida, os princípios éticos e a segurança dos usuários e dos trabalhadores, e mais de 40% dos padrões do Grupo II (inclui os elementos associados a um maior desenvolvimento da organização – sistemas de informação, novas tecnologias e redesenho de espaços organizacionais). Excelente conquista.

 

Renomado neurocirurgião, Paulo Niemeyer Filho acredita em possível “fim das cirurgias” devido à evolução da medicina
Médico comenta sobre a evolução da genética e imunoterapia no podcast The Business of Life

Matéria baseada na participação de Paulo Niemeyer Filho no Podcast The Business of Life, do Brazil Journal. Link.

Filho de um dos primeiros neurocirurgiões do país e que carrega, além de seu nome, o DNA da medicina no sangue, Paulo Niemeyer Filho acredita que em breve não serão mais realizadas cirurgias como nós conhecemos: “A cirurgia é baseada no que você vê, há uns anos atrás tinham áreas que não podíamos atingir, que não conseguíamos chegar. Hoje consegue-se chegar a qualquer lugar, temos muita tecnologia, muito estudo. O problema não é mais tirar o tumor, mas sim evitar com que ele volte”, afirma o neurocirurgião, acreditando que será um trabalho para as áreas da genética e imunoterapia.

Niemeyer participou do podcast “The Business of Life” e conversou sobre diversos assuntos com Nilton Bonder, principalmente sobre a evolução da medicina nos últimos cinquenta anos e as perspectivas para o futuro. O neurocirurgião lembra que antes de existirem as técnicas que conhecemos hoje em dia, o tratamento medicinal era muito mais complexo, como as cirurgias cerebrais. Não havendo exames de imagem, os médicos não conseguiam precisar o que era a massa encontrada no paciente, prosseguindo para a cirurgia sem o conhecimento do que encontraria. “Nessa época não existia CTI, o doente operava e voltava para o quarto do hospital. Quando surge o CTI e os equipamentos mantinham os pacientes vivos, começamos a ver que muitos tinham mortes encefálicas”, lembra Paulo, citando que antes dos anos 70 os doentes “só morriam do coração”, devido à falta do conceito de morte cerebral. O neurocirurgião acredita que estamos no caminho para conseguir tudo que imaginamos em termos médicos, como um mapeamento mais preciso do cérebro e a decodificação das atividades elétricas por ele desenvolvidas. “Vamos ter uma transformação muito grande na maneira de enxergar e tratar as doenças”, afirma Paulo.

Paulo Niemeyer Filho (Foto: Jorge Araújo/Folhapress)

Atualmente diretor do Instituto Estadual do Cérebro, no Rio de Janeiro, Niemeyer conta que a unidade faz cerca de duas mil cirurgias anualmente, sendo uma “referência de hospital público que deu certo”; o médico, que realiza operações de duas a três vezes por semana no local, acredita no poder do comprometimento dos funcionários. “Conseguimos imprimir uma mentalidade, uma maneira de trabalhar, conceitos. Todos que trabalham lá tem um comprometimento de qualidade, e é o desejo de todos os médicos trabalhar em um local que seja bom, que possam realizar seu trabalho da melhor maneira possível”, enfatiza Paulo.

Cuidados com o cérebro

Perguntado sobre cuidados necessários que devemos ter para a saúde cerebral e maior longevidade, Paulo Niemeyer pontua que o mais importante é manter cérebro ativo, estimulando-o da maneira que preferir, como através de livros, filmes, relações sociais ou aprendizado de novas habilidades. “O pior que pode acontecer é o isolamento, a depressão, a falta de interesse. Porque você entra em uma cadeia que não tem fim. O maior antidepressivo são as relações sociais que te mantém ativo e com o cérebro funcionando”, diz o neurocirurgião, citando trabalhos de profissionais norte-americanos. Paulo lembra o período da pandemia, onde devido ao isolamento forçado, muitas pessoas desenvolveram doenças neurológicas.

Novos rumos da Amil
Renato Manso é nomeado CEO da empresa. Após passagem pela Assim Saúde, ele retorna a empresa onde foi executivo por anos

Após passagem por outras operadoras, Renato Manso retorna a empresa onde foi executivo por anos

Da Redação

Executivos do setor de saúde estão otimistas quanto ao futuro da Amil. Tem sido muito bem recebido pelo setor as decisões do novo proprietário da operadora, José Seripieri Júnior, como a nomeação de Renato Manso para CEO da empresa. Manso traz consigo vasta experiência no mercado de saúde suplementar, inclusive dentro da própria Amil, onde foi executivo por anos na época em que o fundador, Edson Bueno, era o presidente. Ele foi um dos principais profissionais de confiança do Edson e esteve presente desde os primeiros anos da operadora até o período em que foi líder de mercado e atraiu os olhares de investimentos norte-americanos.

José Seripieri (foto) almeja um modelo de gestão semelhante à época do Edson Bueno


Júnior, como é chamado entre os amigos, tem demonstrado muita confiança no projeto de recolocar a empresa como protagonista do mercado de saúde suplementar. Para isso, ele planeja justamente uma gestão nos moldes da época do Edson. A escolha por Manso como CEO reforça essa estratégia, pois é um profissional respeitado no setor e que conhece muito bem a empresa.

Quem tem conversado com Júnior, diz que ele avalia que a Amil começou a perder mercado justamente quando parou de priorizar o acolhimento do beneficiário e uma gestão pautada na valorização dos recursos humanos, no apoio ao médicos e na inovação. Atualmente, ela é a quarta maior operadora do país, com cerca de 2,7 milhões de beneficiários.